09 maio 2017

Ocupar Brasília: Contra as reformas a mobilização continua

Para dar continuidade ao movimento contra as reformas, as centrais sindicais definiram, no último dia 3, uma agenda de mobilização.
Nota da CUT diz: “A LUTA CONTINUA PORQUE O GOVERNO GOLPISTA PIORA A CRISE ECONÔMICA COM SUA POLÍTICA DE AUSTERIDADE, ELEVANDO O DESEMPREGO PARA 14,2 MILHÕES DE PESSOAS. A LUTA CONTINUA PORQUE O PRESIDENTE ILEGÍTIMO MICHEL TEMER NÃO DESISTIU DAS REFORMAS, APESAR DE SEREM AMPLAMENTE REJEITADAS PELA POPULAÇÃO E APESAR DO PRÓPRIO GOVERNO, ATINGIDO EM SEU NÚCLEO COM DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO, CONTAR COM BAIXÍSSIMO GRAU DE APROVAÇÃO. MESMO ASSIM, ESTÁ ACELERANDO A TRAMITAÇÃO DAS REFORMAS NO CONGRESSO. A LUTA CONTINUA PORQUE, ENERGIZADOS COM A ADESÃO E APOIO POPULAR À GREVE GERAL, NÃO PODEMOS PERDER UM MINUTO SEQUER. TEMOS PELA FRENTE UM DUPLO DESAFIO: DERROTAR A REFORMA TRABALHISTA E A REFORMA DA PREVIDÊNCIA NO CONGRESSO E INTENSIFICAR O COMBATE AO GOVERNO GOLPISTA, DEFENDENDO ELEIÇÕES DIRETAS.”
O calendário definido na data citada inclui ocupação à Brasília, marcha e nova greve geral. Ontem, 8, algumas alterações a este calendário foram apresentadas. No momento o que está previsto é que, entre os 15 e 19 de maio, o movimento deve continuar pressionando os parlamentares em suas bases eleitorais nos Estados. No dia 17 de maio, haverá uma mobilização no Congresso Nacional, com a participação de todas as Centrais Sindicais.
A marcha e ocupação de Brasília serão em 24 de maio. Em breve detalharemos melhor estas informações.

Comentários Comentar